Cardiff

A Energia Solar Fotovoltaica como fator de competitividade na Indústria

Em artigo publicado na revista «O Instalador», Vasco Nogueira , Head of Department IEP – Energy, Efficiency and Renewable aponta a energia solar fotovoltaica como um fator de competitividade na Indústria.

Num mundo cada vez mais competitivo, torna-se imperativo que os nossos empresários tenham uma estrutura de custos interna, cada vez mais otimizada e estabilizada. Deste modo, conseguirão apresentar produtos com preços competitivos no mercado nacional e internacional.
foto

Na estrutura de custos de uma unidade industrial, os custos com a energia, dependendo da sua área de atividade, poderão representar cerca de 30% a 40% dos custos totais. Assim, torna-se imperativo a implementação de soluções de eficiência energética e de energias renováveis, nomeadamente, o solar fotovoltaico.

De referir que, para além dos benefícios financeiros, estas soluções apresentam também benefícios ambientais, nomeadamente, a redução de emissões de COpara a atmosfera. Este fator, por vezes, torna-se eliminatório aquando da seleção de fornecedores de matérias primas.

Contudo, como qualquer equipamento, uma central fotovoltaica, apesar de ser pouco exigente em manutenção, requer que seja acompanhada, nomeadamente, a sua produção, de forma a verificar se esta é igual ou superior ao expectável.

As centrais fotovoltaicas, dependendo da sua localização e dimensão, têm exigências específicas e diferenciadas, no contexto da sua operação e manutenção (O&M). Em particular, e de acordo com os trabalhos que desenvolvemos como entidade independente, durante o período de exploração destas unidades produtoras, o iep poderá colaborar em diversas áreas numa central fotovoltaica, avaliando diversos parâmetros, num trabalho global e conjunto. Os pontos avaliar poderão ser:

  • Termografia com drone;
  • Termografia aos componentes elétricos;
  • Curvas I-V;
  • Eletroluminescência;
  • Eficiência de inversores;
  • Inspeção elétrica – baixa tensão;
  • Inspeção elétrica – média;
  • Inspeção estrutural do suporte dos módulos fotovoltaicos. (Ensaios não Destrutivos).

Da realização destes trabalhos, detetámos um número considerável de defeitos nos módulos fotovoltaicos (por Termografia e/ou Eletroluminescência), quebras de eficiência em strings, para além de quebras de eficiência nos inversores DC/AC. Estes tipos de problemas têm como consequência uma natural quebra de produção de energia elétrica, e a consequente perda de rentabilidade da central fotovoltaica.

foto

Pretendemos, assim, na nossa atividade, criar um triângulo de responsabilidades, entre investidores, empresas de O&M e entidades inspetoras, que trabalharão em conjunto para manter a performance do parque em níveis de excelência contribuindo, deste modo, para uma produção de energia renovável mais eficiente e otimizada, caminhando de mãos dadas para a descarbonização da economia e de um planeta mais sustentável.

De referir ainda que o iep poderá ajudar, de forma séria e independente, o setor industrial, com um pacote de serviços multidisciplinar em diversas áreas do saber, aproveitando as diferentes experiências do seu portefólio de serviços, combinado numa única entidade diferentes áreas de atuação. Assim, somos um aliado e amigo do tecido empresarial português.

Recorrendo a esta tecnologia renovável, é possível estabilizar e otimizar os custos com a vertente energética da sua unidade industrial, garantido assim a sua sustentabilidade, competitividade e diferenciação num mercado cada vez mais feroz.

Ir arriba