Reinventar o Setor da Iluminação

  

Em artigo publicado na revista “O eletricista”, Rui Fernando Sá, Gestor Comercial no IEP, fala-nos de um setor em transformação.

A iluminação é uma área de importância crescente na economia portuguesa. No nosso país temos excelentes empresas fabricantes de luminárias para a iluminação pública, técnica e decorativa. São mais de 200 empresas que empregam mais de 3000 pessoas.

O peso das exportações continua a aumentar e já atinge números de aproximadamente 70% da sua facturação total, o que representa uma duplicação dos valores nesta última década. Estas exportações visam mercados diversificados, com o Europeu, Norte Americano e Asiático.

Existem empresas com um nível de exportação superior aos 90%, assistindo-se, cada vez mais, ao aumento das quotas de exportação, aliadas ao crescimento do número de países para onde as empresas exportam.

Apesar destes números, o potencial de crescimento ainda é enorme, o que obriga as empresas a estarem presentes nas feiras de referência como a Maison & Object (Paris), Light & Building (Frankfurt), Light Midlle East (Dubai) ou a Euroluce (Milão), na procura de novos contactos e oportunidades que lhes permitam continuar a aumentar os seus clientes externos.

Aliado a este esforço, as empresas portuguesas consideram, cada vez mais, a importância da inovação e do design nos seus produtos como um factor diferenciador e criador de uma mais-valia que lhes permita concorrer com os seus competidores internacionais.

Já não basta garantir a qualidade de construção e o cumprimento de todo o quadro normativo inerente à fabricação das luminárias, sendo necessário inovar, investir em materiais diferentes, em novas utilizações dos existentes e muito na parte estética do produto final.

Na área da iluminação decorativa, encontramos luminárias que aparecem com designs cada vez mais surpreendentes.

A tendência do design de iluminação conduz a um esforço de renovação da oferta e, cada vez mais, as empresas criam os seus gabinetes de design ou recorrem mesmo a designers conceituados para a criação das suas peças, muitas delas exclusivas, ou de produção de linhas em número limitado. Deste modo, conseguem criar um valor acrescentado ao seu produto, tornando-o mais apelativo e disputando um mercado cada vez mais importante, junto dos designers de interiores.

Neste mercado, o preço não é o factor mais importante, mas sim a percepção de qualidade e inovação da peça ou, quando é o caso, o conhecimento do nome do designer.

Também conseguem exportar para mercados que, de outra forma, permaneceriam fechados, abrindo assim novas oportunidades e levando a Marca “Made in Portugal” a todos os cantos do mundo.

Com a tecnologia ao serviço da funcionalidade, os designers através da sua genialidade e criatividade terão uma importância crescente nesta indústria. O resultado de toda esta mudança de paradigma são os lançamentos de luminárias com os mais diferentes materiais, desenhos, cores e efeitos de iluminação que possamos imaginar.

Nesta transformação, o ensino e a formação profissional também terão a sua contribuição. Por exemplo, já existe uma pós graduação em Design de Iluminação e será necessário formar os colaboradores para as novas técnicas a aplicar no fabrico das luminárias.

O IEP continuará a apoiar as empresas do sector garantindo-lhes a conformidade dos seus produtos no auxílio à marcação CE (segurança elétrica e compatibilidade eletromagnética) e na obtenção da marca SASO, entre outras, assistindo com entusiasmo à mudança e crescimento que este sector vem atravessando!

Scroll to Top